Eurodeputado Othmar Karas: O Parlamento Europeu tem de se pronunciar sobre as medidas da Troika / Conferência de Imprensa hoje, 7 de janeiro de 2014, às 12 horas

A primeira das quatro missões do Parlamento Europeu para avaliar o trabalho da Troika começou com uma visita a Portugal. Um conjunto de eurodeputados dirigidos pelo vice-presidente do Parlamento Europeu, Othmar Karas, encontra-se agora em Portugal numa visita de dois dias, para depois se deslocar a Chipre, na próxima 6ªfeira e sábado. “As nossas primeiras trocas de impressões mostram que a Troika não é uma entidade homogénea, mas leva a cabo debates internos em termos de prioridades. Isto mostra a urgência que o Parlamento tem em desenvolver este trabalho, realizando a sua função de controlo, e colocando assuntos relativos à transparência e legitimidade na agenda”, afirmou o eurodeputado Karas.

“Portugal está agora a mostrar sinais de recuperação económica que o levará a sair da atual crise. Mas, já em vários momentos, o discurso dos líderes da Troika foram diferentes das instruções da sua esquipa de especialistas. Foi dito a Portugal que haveria flexibilidade, mas tal nunca aconteceu. Os portugueses têm suportado sacrifícios significativos, e por isso, merecem ser melhor informados”, salientou Karas.

Não é suficiente afirmar que os governos nacionais são legitimados democraticamente e, por isso, não precisarmos mais do Parlamento Europeu. Isto significaria fazer um retrocesso de décadas na Europa Vice-presidente Othmar Karas

O vice-presidente do Parlamento Europeu insiste ainda na questão da legitimidade democrática das decisões no quadro dos programas de assistência. “O Parlamento Europeu tem de co-decidir em matérias de co-decisão. Não é suficiente afirmar que os governos nacionais são legitimados democraticamente e, por isso, não precisarmos mais do Parlamento Europeu. Isto significaria fazer um retrocesso de décadas na Europa”, afirmou Karas.

Os eurodeputados têm encontros marcados com representantes do governo português e da oposição, parceiros sociais e funcionários do banco central, de entre os quais o antigo primeiro ministro José Sócrates, o governador do banco de Portugal, Carlos da Silva e a ministra das finanças Maria Luisa Albuquerque. “Queremos obter uma imagem factual dos procedimentos de trabalho e de decisão da Troika – nada mais nada menos”, afirmou Karas. Estão marcados também para o final da semana encontros com partes interessadas e depositantes em bancos em Chipre. Posteriormente, os eurodeputados viajarão até à Grécia e à Irlanda. A 16 de janeiro a Comissão dos Assuntos Económicos do Parlamento Europeu levará a cabo uma primeira troca de pontos de vista.

Conferência de Imprensa com eurodeputado Othmas Karas:
Hoje, 7 de janeiro de 2014, às 12 horas (locais),
Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa, Largo Jean Monnet, 1-6º, 1269-070 Lisboa