Sou a mais nova de oito irmãos. No meio de muitos confrontos de ideias, típicos de uma família numerosa, havia também a necessidade de estabelecer regras, estratégias e negociações. Foi na minha adolescência que despertei para a política com o 25 de Abril de 1974 e com o processo de democratização do meu país.

Enfrentei o preconceito contra a presença da mulher no ambiente profissional como jovem advogada. Na altura, era também jovem mãe. Empenhei-me, diariamente, na conciliação da vida profissional e familiar, e hoje sei, por experiência, que ao desempenhar as minhas funções com dedicação e entusiasmo, é possível superar as dificuldades.

O meu percurso de vida condicionou também o meu trabalho parlamentar, centralizado essencialmente nos assuntos sociais e nos direitos das mulheres. O emprego, a segurança no trabalho e a saúde são temas a que dedico especial atenção.

A luta contra o desemprego jovem

O desemprego jovem está excecionalmente elevado no sul da Europa. Como eurodeputada portuguesa e mãe de três filhos, empenho-me na criação de medidas que reduzam este flagelo que afeta os nossos jovens. Por este motivo, fui relatora do Parlamento Europeu do dossier que cria “Uma Agenda para Novas Competências e Empregos”.

Há uma necessidade imperiosa de melhorar competências básicas, como também competências na ciência, inovação, tecnologias da informação, comunicação e línguas estrangeiras. Regina Bastos

Assumo como um dever informar os jovens de que há 1,4 milhões de empregos disponíveis no mercado europeu. Há uma necessidade imperiosa de melhorar não só as competências básicas, como também as competências na ciência, na inovação, nas tecnologias da informação, na comunicação e línguas estrangeiras. É urgente trabalhar para a redução das taxas de abandono escolar e melhorar o equilíbrio entre a vida profissional e a vida familiar.

O combate à violência contra as crianças e as mulheres

Estima-se que nos Estados Membros doze mulheres são assassinadas diariamente pelos seus parceiros ou familiares, mais de uma em cada dez mulheres foram vítimas de algum tipo de violência sexual e 26% das crianças e jovens denunciaram casos de violência física durante o seu crescimento. No século XXI, ainda é uma prioridade para a Europa combater a violência contra as crianças, os jovens e as mulheres.

Nos Estados Membros, doze mulheres são assassinadas diariamente pelos seus parceiros ou familiares.

Fui relatora do Parlamento Europeu para o Programa Daphne, o único programa europeu que contribui para a proteção das crianças, dos jovens e das mulheres contra todas as formas de violência.

A minha missão no Parlamento Europeu é propor soluções concretas para os problemas dos cidadãos europeus, com base na solidariedade e justiça social, dando-lhes, desta forma, esperança no futuro!

Acreditamos nas pessoas.