países do mediterrâneo

Países do Mediterrâneo

Mais recentes

Mediterranean
Notícias
16.01.2018 - 10:30
It's now or never. The formula seems worn out it has been heard so much, but it is nevertheless my deep conviction: the future of the European Union will be played out this year. In March 2018, the electoral sequence which started in May 2017...
European Ideas Network
Comunicado de imprensa
26.09.2017 - 16:48
The 16th annual gathering of the European Ideas Network (EIN) will take place in Rome, Italy, from 27 to 29 September, with European politicians, businessmen, academics, policy-makers and opinion-shapers debating solutions for ensuring security and...
Turkey & Europe flags
Comunicado de imprensa
05.07.2017 - 15:29
“The Turkish government has deceived its own citizens. The constitutional changes are incompatible with the Copenhagen Criteria which is the non-negotiable basis for membership of the European Union. We consequently call to formally suspend -...
Mediterranean
Notícias
16.05.2017 - 09:26
An EPP Group delegation to the 13th plenary session of the Parliamentary Assembly of the Union for the Mediterranean (PA-UfM) on 12 and 13 May 2017 in Rome garnered support for amendments "firmly condemning terrorist attacks and persecution...

Pages

 

História das nossas relações com o Mediterrâneo

Mediterranean Countries

A atual cooperação entre a UE e os países do Mediterrâneo funda-se no Processo de Barcelona, lançado em 1995, com a Declaração de Barcelona.

A parceria Euro-Mediterrânica foi renovada pela “União para o Mediterrâneo”, uma iniciativa do então Presidente francês Nicholas Sarkozy e oficialmente inaugurada a 13 de julho de 2008 na Cimeira de Paris para o Mediterrâneo.

Contactos
Andrey KOVATCHEV
Vice-Presidente
 
Staff
 
 

Através desta iniciativa o Processo de Barcelona, um amplo quadro de relações políticas, económicas e sociais entre a União Europeia e os Parceiros do sul do Mediterrâneo, introduziu três princípios simples mas essenciais: uma mobilização política ao mais alto nível através de cimeiras de Chefes de Estado e de Governo de dois em dois anos; uma governação em pé de igualdade, sob a forma de uma co-presidência Norte-Sul e de um secretariado permanente com igual representação; a atribuição de prioridade a projetos concretos com dimensão regional que criem uma solidariedade de facto.

Além das cimeiras de Chefes de Estado e de Governo e das Conferências Ministeriais, a dimensão parlamentar encontra-se representada pela Assembleia Parlamentar da União para o Mediterrâneo (AP-UpM).

O Processo de Barcelona é uma iniciativa única e ambiciosa, que estabeleceu as fundações de uma nova relação regional e representa um ponto de viragem nas relações Euro-Mediterrânicas. Na Declaração de Barcelona, os parceiros Euro-Mediterrânicos estabeleceram os três principais objetivos da Parceria:

1. A definição de uma zona comum de paz e de estabilidade através do reforço do diálogo político e de segurança (Capítulo Política e Segurança).

2. A construção de uma zona de prosperidade partilhada através de uma parceria económica e financeira e do estabelecimento gradual de uma zona de comércio livre (Capítulo Económico e Financeiro).

3. A aproximação entre os povos através de uma parceria social, cultural e humana destinada a encorajar a compreensão entre culturas e o intercâmbio entre sociedades civis (Capítulo Social, Cultural e Humano).

O Grupo PPE considera fundamental o desenvolvimento de uma política de vizinhança avançada, que contribuiria para uma melhor compreensão entre a UE e os parceiros mediterrânicos. O Grupo PPE promove numerosas iniciativas com esta finalidade.

O Grupo de Trabalho EUROMED do Grupo PPE reúne-se mensalmente para avaliar a ação do Grupo em conexão com a Assembleia Parlamentar UpM e para reforçar as nossas relações políticas com os parceiros do sul do Mediterrâneo e com grupos com posições políticas e valores semelhantes aos do Grupo PPE. Tal implica cooperação com o Partido Popular Europeu e com os nossos membros da Comissão dos Assuntos Externos. Este grupo de trabalho está fortemente empenhado em dar uma nova vida política às relações Euro-Mediterrânicas.

O Grupo PPE favorece uma política mediterrânica baseada na solidariedade que seja capaz de responder aos múltiplos desafios da paz, estabilidade, combate ao terrorismo, segurança, compreensão mútua e respeito pelos direitos humanos. O nosso Grupo trabalha em conjunto com os nossos parceiros mediterrânicos para identificar claramente as prioridades em domínios como a migração, religião, proteção ambiental e os grandes desafios da educação e formação. Trabalhamos também pela participação das mulheres na vida económica, política e social, pelo acesso das mulheres à educação e aos cuidados médicos e em projetos e programas orientados para as mulheres.

 

 

 

Assembleia Parlamentar da União para o Mediterrâneo

Euromed

A Assembleia Parlamentar da União para o Mediterrâneo (AP-UpM) é atualmente composta por 260 membros, entre eles 130 membros europeus (81 de parlamentos nacionais e 49 do Parlamento Europeu) e 130 dos países mediterrânicos. A Deputada do Grupo PPE Tokia Saïfi preside à Comissão Política da AP-UpM.

A criação da Assembleia, anteriormente designada por Assembleia Parlamentar Euro-Mediterrânica, foi um grande avanço político que reforçou o caráter democrático e o diálogo político do Processo de Barcelona. A sua criação era há muito um objetivo do Grupo PPE. A fim de continuar a melhorar a visibilidade da AP-UpM, o nosso Grupo propõe que esta se torne numa instituição com poderes consultivos obrigatórios sobre questões relacionadas com o Mediterrâneo debatidas no Conselho de Ministros da União para o Mediterrâneo. O Conselho e Comissão da UE devem trabalhar com - e estar presentes na - Assembleia, a qual deverá ser estreitamente associada à preparação das cimeiras de Chefes de Estado bienais e às reuniões anuais dos Ministros do Negócios Estrangeiros dos países membros da UpM.

O Grupo PPE está a desenvolver um projeto ambicioso para estabelecer filiações políticas no interior da Assembleia, segundo as mesmas linhas que no Parlamento Europeu. Todos os seus membros poderão, por conseguinte, organizar-se em grupos políticos de acordo com as filiações políticas existentes (sobrepondo-se à atual divisão entre parlamentos mediterrânicos – Parlamento Europeu – parlamentos dos Estados Membros da UE) preparando assim o caminho para uma maior interação e eficácia.

 

Publicações

Mais recentes

Albania in EU
14.02.2018 - 15:07

EPP MEPs in Albania: joint efforts required from all political parties on EU prospects

Albania has progressed and showed political commitment to EU-related reforms - this is one of the conclusions of the EU-Albania Stabilisation and...
Europe vote election
09.02.2018 - 12:19

In the 2019 European Elections, let's talk about candidates and programmes, not procedures!

The European Parliament will be ready to reject any candidate in the investiture procedure of the President of the Commission who was not appointed...
Time for tougher sanctions against Venezuela: Salafranca
09.02.2018 - 10:00

Time for tougher sanctions against Venezuela: Salafranca

The European Parliament has voted for tougher sanctions against the Venezuelan regime as it prepares for early presidential elections seen as a sham...
Protests in Venezuela
08.02.2018 - 12:22

Venezuela: elections must be fair and free

“We have to raise our voices to denounce further attempts to undermine sovereignty and fixed elections that don’t even fulfil the minimum...

Destaques da semana

19.02.2018 - 23.02.2018
Business finance chart and Euro banknotes

Voting on post-2020 EU expenditure and revenue

The Budgets Committee will vote on Thursday on Parliament's position on the EU's post-2020 seven-year budget (Multi-Annual Financial...
EUROCORPS' soldiers do a military simulation on the ground with chariot, trucks, guns, weapons and some wounded soldiers

Stronger industrial cooperation on defence

Europe needs stronger and better cooperation in the field of defence. The pan-EU cooperation on an industrial defence programme is an important step...
High voltage post

Making the internal market for electricity work for consumers and industry

The way the electricity markets work inside the EU needs an overhaul to increase the supply of affordable and secure energy across EU borders. The...